INSÔÔNIA.com
set
30
2013

O que vou contar é algo que eu presenciei, parece mentira ou nosense, aliás, é nosense, mas aconteceu. Eu e meus amigos rimos demais! Aconteceu no mês passado, num show que teve na minha cidade. Sou de Nepomuceno/MG.

Estava eu e meus amigos curtindo o show, quando acontece o seguinte com uma turminha que estava próximo da gente. Uma garota decide gritar no meio do povo: “Nossa, alguém peidou. Que cheiro horrível”, daí a menina que estava na frente dela, olhou para trás e disse “o que que foi, minha filha? Tá achando que eu peidei?”. E isso já foi o suficiente para começar a confusão. Ficaram discutindo horas por causa do cheiro do peido. Uma falando que não peidou e a outra falando que alguém peidou. hauahaa

O namorado da menina que estava acusando alguém de ter peidado, olhou rindo para a menina da frente e disse:  “peidorreira”. Aí o namorado da suposta peidorreira disse: “Pq você tá chamando minha namorada de peidorreira? Você tá maluco?”.

Nisso, os namorados começaram a brigar de porrada e as meninas também. Foi aquela confusão. O Show até parou para polícia separar a briga. O melhor foi quando os policiais chegaram e perguntaram o motivo da briga.

A menina respondeu: – Ela tá falando que eu peidei.

hauhauhauhaua cara eu ri demais. Tem certas coisas que só acontecem na minha cidade. Eis um ótimo exemplo. Espero que tenham gostado. Não parece, mas é verídico. E a cidade toda está de prova. Sim, o motivo está rendendo até hoje aqui. Cidade pequena, sabe como é…

Um beijo pra peidorreira!

aconteceu_comigo

ENVIE SUA HISTÓRIA: [email protected]
ENVIE SUA HISTÓRIA: [email protected]
set
04
2013

Vou relatar uma história da minha infância no longínquo ano de 1999, início do ano, férias de verão. Meu avô tinha uma casa de veraneio, nada muito sofisticado, mas passávamos quase o mês inteiro de férias escolares na praia, o local? Ipanema Beach, não no RJ, lógico que não, a genérica do belo litoral paranaense…

Como viajávamos para Ipanema todo o ano conhecíamos todos os nativos, logicamente que criamos laços de amizade com vários deles, a brincadeira favorita era o esconde-esconde. A nossa segunda opção de divertimento era ir ao Super Mercado local e aproveitar de toda aquela degustação que era oferecida, bons tempos… A nossa incrível “gangue” era composta por 7 muleques entre 11 e 14 anos. Eu que me chamo Fernando, Ricardo meu irmão, Marcos, Andriws, André meu tio, Thiago e um muleque que ninguém sabia o nome e só era conhecido como gordo.

Eu como bom gordinho que era passava horas perto do supermercado, sabe como é gordo só faz gordice… Eis que em um belo dia me deparo com uma casa, com o portão entreaberto, e o que eu descubro? Parte do estoque do mercado exposto, empilhado do lado do portão, achei estranho, pois era do mesmo produto, o finado leite fermentado Parmalat… A notícia se espalhou rapidamente, e logo um de cada vez pegava uma caixinha e saia correndo, uma caixinha e saia correndo… Até que eu perdi a paciência, e fui falar com a dona da casa:

– Moça, essas caixas de leite fermentado pode pegar?

– Pode sim, mas tá fora do prazo de validade.

Nem liguei pra essa merda de prazo de validade, voltei carregado com todas as caixas de leite fermentado possíveis, usei até o carrinho de mão do meu avô, a piazada só faltou me carregar como herói naquele momento… Logicamente que nos entupimos de beber aquela merda de leite fermentado (mais pra frente percebemos que foi um grande erro…). Já estávamos de saco cheio daquela merda, eis que o Thiago teve a brilhante ideia, vamos usar isso como granada. Aquilo foi o estopim de uma guerra que terminou com vários hematomas e com a garagem da casa do Thiago toda zoada fedendo a vômito…

O pai do Thiago percebendo a confusão expulsou todos nós da casa, saímos correndo e levamos a guerra para a rua, para terminar como todo verão caiu uma bela tempestade, logicamente que em Ipanema Beach várias ruas não tem asfaltamento e aquilo começou a encher e várias caixas boiando… Num breve momento de distração veio uma caixa na minha direção e acertou a minha orelha, se fechar os olhos ainda vejo ela zunindo e me atigindo…

De repente, não mais que de repente, minha mãe chegou, e aí a porra ficou literalmente séria, levei um tapa que doeu mais que a caixa de leite fermentado na orelha… Meu irmão e meu tio se justificaram, e trataram de colocar a culpa em mim. Mas a minha vingança foi plena, logo todos nós fomos premiados, com tanto leite fermentado fora da validade o inevitável aconteceu… A caganeira foi sem igual. Passamos o resto do verão se revezando no banheiro. O Thiago, nunca mais foi visto, alguns dizem que se tornou Grão-Mestre da Maçonaria, outros dizem que ele apenas parou de andar com a gente… Até hoje recordamos desse verão, mesmo depois de tanto tempo. Aliás, parabéns ao meu amigo Marcos que assim como eu vai entrar para o clube dos papais.

aconteceu_comigo

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
ago
12
2013

Antes de tudo, não gostaria de ter meu nome vinculado à história.
Vou alterar o nome dos personagens e enfim… PRECISO DE AJUDA e preciso compartilhar a minha frustração. Frustação essa, que só amando mesmo para suportar.

O caso é que no primeiro ano do ensino médio fiquei muito amiga de um cara, tipo melhores amigos. Sentávamos juntos todas as aulas e onde eu estava ele estava junto. Durante os 3 anos do ensino mádio namorei com outros caras (inclusive da nossa turma) e logicamente eles odiavam esse meu amigo por sermos muito próximos (e ele tbm odiava meus namorados).

Enfim, acabou o ensino médio, nós nos formamos brigados, haviam acontecido coisas (não me lembro bem) que fez a gente brigar e paramos de nos falar. 2 anos após nos formarmos, nos reencontramos com uns amigos em comum em um bar e nesse dia ele se “declarou” e eu descobri que “friendzonizei” ele por 3 ou 4 anos sem saber ao certo disso.

Coisas vão, coisas vem, e nós acabamos ficando. No começo determinei que não seria NADA sério, mas após uns 3 ou 4 meses ficando sem compromisso ele acabou me pedindo em namoro. O problema ou não problema é que ele sempre foi muito, digamos… extrovertido. Do tipo que se você duvidar que ele saia correndo pelado no meio da rua, ELE REALMENTE SAI (já aconteceu).

Até aí sem problemas, já o conhecia e gostava desse lado dele, afinal, sempre fomos melhores amigos. Vergonhas alheias acontecem com frequência. Vira e mexe me perguntam “CARAMBA COMO VOCÊ CONSEGUE NAMORAR COM ELE?”. É, só amando mesmo! E o pior é que eu amo. Já relevei corridas pelado no meio de um churrasco, pirocóptero, peixinhos no meio do shopping ao chegar na “roda” de amigos, entre tantas outras coisas.

Mas o maior “probleminha” do nosso namoro é que ele é virgem. Um puta cara bombado que minhas amigas o denominam de Jacob (pela cor da pele e porte físico), mas virgem. E o pior. Broxa. A primeira vez que tentamos, ele ficou super nervoso, esqueceu de comprar camisinha, foi comprar, mas na volta, a mãe dele resolveu fazer uma visitinha no quarto bem na hora. O coitado ficou mais nervoso ainda. Resumindo, nada aconteceu

Sempre tentamos, e mesmo sem a mãe dele por perto, a pipa dele parece um avião de papel, 2 segundos de voo no pico e logo CHÃO. E ele sempre diz a mesma coisa, fala que é a primeira vez dele e que me ama muito e fica preocupado em fazer direito. Só que acaba não fazendo nada né… Sei lá, como mulher me sinto um lixo.

Eu não sei o que acontece com ele, ele apronta umas façanhas que só pode não ser normal. Veja só o que ele aprontou comigo nesse  fds…

No sábado fui em uma festa junina com minha amiga e ele foi jogar futebol com os amigos. Estava tudo combinado de nos encontrar na casa dele depois e finalmente rolar os finalmente. Super feliz achando que ia rolar o coito desvirginal, mas ele me apronta essa… Cheguei em casa, liguei para ele pra perguntar se estava de pé o combinado e o diálogo foi assim:

– Ele : aconteceu uma coisa muito hardcore eu já te ligo.
*20 min depois*
– Ele: você não tem noção, não tem como eu te explicar por telefone, você precisa ver. Minha irmã viu e está vomitando hauhauahau. (ele rindo).

Desliguei o telefone, pensei “caralho o que ele fez?” e fui para a casa dele.

Cheguei lá, ele pediu para eu não descer do carro, entrou no meu carro e me deu as direções da rua e fomos até uma rua perto da casa dele para ele me mostrar o que tinha acontecido. Já no local ele me conta a seguinte história:

“Então amor, eu estava no futebol com os cara e me deu uma puta vontade de cagar. Joguei mal de tão mal que eu estava passando. Saí do futebol e o meu amigo falou que eu teria uma outra partida, pois não estava completo o time e eu teria que jogar. Eu pensei “putz, e agora?”. Daí fui no banheiro primeiro e me aliviei do grosso, não dava para aliviar tudo porque banheiro de futebol é nojento né. E então joguei a segunda partida e no final começou aquela dor de barriga denovo. Vim embora rapidamente, mas não dava tempo de chegar em casa e estava doendo muito. Então eu abaixei as calças aqui e acabei cagando na frente de uma senhora que estava passando na rua. Olha aqui o meu cocô!!! Caguei, coloquei o capuz e saí correndo com a bunda de fora. Ninguém lá de casa acreditou, daí eu trouxe eles aqui para ver, depois de ver … minha irmã vomitou. kkkkkkkkk “. (ele rindo denovo).

¬¬

OK! Agora alguém me explica a necessidade dele cagar na rua e me levar para ver a merda que ele fez? E A NOSSA NOITE DE AMOR?

Ele sempre foi meio louco e extrovertido e etc etc etc MAS PRECISAVA DISSO? Eu toda serelepe achando que seria uma noite de vitória, mas não. O virgenzinho que eu amo, prefere cagar na rua.

Depois disso quis ir embora na mesma hora e ele insistiu para eu ficar. Acabei ficando de tanto ele insistir. Fui pra casa dele, ficamos deitado na cama por algum tempo, até que o clima começou esquentar. E adivinha?

ELE SAIU CORRENDO PARA O BANHEIRO E ME CONTEMPLOU COM UMA “LINDA” TRILHA SONORA DE TODO SEU SISTEMA FISIOLÓGICO FUNCIONANDO A 100%.

É, gente, não sei mais o que fazer. O que pensar. Não estou sendo compreensível? Estou sendo fresca? Meu Deus, eu amo ele, mas… nossa… essa foi demais pra mim.

aconteceu_comigo

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
anuncie
jul
29
2013

Olá pessoal, gostaria de contar a história do dia em que passei uma baita vergonha e susto.
Me Anderson, tenho 27 anos, sou bancário e estou saindo já há alguns meses com uma moça de 24, e estamos nos dando super bem, no entanto, eu moro em uma cidade vizinha a dela e ela ainda mora com os pais em uma cidade bem tranquila, de 85 mil habitantes, pequena e sempre saímos para comer, beber, etc.

Pois bem, depois de algum tempo, começamos a nos relacionar mais intimamente, ou seja, quase sempre damos uma passadinha em um motel, até aí tudo beleza, até que um dia dia em que fomos a um barzinho e ela precisava voltar mais cedo pra casa, então já considerei que não iria dar tempo para aquela ida ao motel (fazer o quê…). Mas a caminho da casa dela, por volta das 23 horas, pensei em parar um pouco em uma rua escura pra gente namorar um pouco, mas de boa, sem sacanagem, no entanto, depois de alguns beijos e amassos, o clima foi esquentando, naturalmente, e cada vez mais, até que já estávamos quase tirando a roupa.

Pensei seriamente em ir pra um motel, mas o mais próximo de onde estávamos ficava a mais de 40 minutos do local, ou seja, não havia tempo para a operação. Então fiz o que qualquer homem sem frescura faria naquela situação, fui tirando a roupa dela alí­ mesmo. Ela, naturalmente ficou meio em dúvida, indagando: mas será? Tem certeza? E se aparecer alguém? Mas nessa hora a gente só pensava naquilo. Falei que o lugar era tranquilo, o vidro é muito escuro, simplesmente não dar pra ver nada do lado de fora e não ia ter problema algum.

Enfim, depois de alguns minutos, ela estava só de calcinha, mas sem tirar a blusinha (apenas levantada), e eu, muito inocente, tirei a camisa e a calça jeans, estava só de cueca com o bonecão de Olinda em pé hehehe. No final das preliminares, eu já estava em cima dela no banco do carona, pronto para começar a rapidinha. Até que de repente, uma luz forte pra caramba surgiu em frente ao meu carro, na hora pensei, que filho da puta é esse?

A porra ficou séria quando ligaram o giroflex, sim, era a polícia. Fiquei sem ação, não sabia o que fazer. Já a menina foi ninja pra caramba, assim que saí­ de cima dela, ela já puxou a calça e estava vestida, já eu, quando fui puxar a calça, o policial veio e bateu no vidro, como não estava afim de tomar tiro, abri um pouco e o policial com a arma apontada falou: Sai­ do carro. Eu abaixei pra puxar a calça e o policial voltou a gritar, sai­ do carro rápido e mostra as mãos. Como eu não podia sair com a calça na canela, eu falei, vou puxar minha calça, o policial fez uma cara estranha e perguntou, você está sem calça? Enfim, puxei a calça, mas estava sem camisa, pra achar a camisa naquele desespero foi complicado, e tudo isso com um farolete pequeno e a arma na minha cara, enquanto um outro policial olhava em volta do carro.

Naquela hora pensei, esses caras vão me levar pro DP, tô fudido. Assim que consegui me vestir, estava parecendo o João Cana brava, com a roupa toda de qualquer jeito, e ele pediu pra ver toda a documentação do carro, olhou dentro dele, porta malas, tudo, pediu os documentos da menina também, e pra ajudar no clima de tensão, a menina tem a mania de rir quando fica nervosa, ela já havia comentado comigo, mas não pensei que era daquele jeito, ela ficava meio sorrindo, com um ar de sarcasmo, e eu quase me borrando e pensado: putz para de rir sua louca, imaginando que os policiais iam engrossar e levar a gente pro xadrez por desacato ou sei lá…

Enfim, depois os policiais fazerem o maior drama, perguntou de onde era, onde trabalhava, etc, etc, etc. Enquanto ele averiguava tudo, uma senhora saiu no portão de casa, do outro lado da rua onde estávamos parados, e assistiu toda a cena. Depois de muita vergonha, o policial, sacou que estávamos dando uns pegas e depois de muitas perguntas e olhar tudo no carro, ele falou: Olha, da mesma maneira que abordamos vocês, criminosos poderiam ter feito o mesmo, então tome mais cuidado, tem lugares certos para vocês ficarem juntos.

Ele está certo né, mas quem nunca deu uma rapidinha no escurinho dentro do carro, não é mesmo? O importante é tomar alguns cuidados, principalmente de não tirar a roupa toda, de forma que você consiga se vestir rapidamente se a vaca for pro brejo, e o mais importante, ter a certeza de que não há nenhuma velha filha da puta que vai ligar pra polí­cia e falar que tem um carro suspeito parado perto da casa dela.

 

aconteceu_comigo

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Maio
23
2013

Eu poderia começar dizendo que a minha história é tensa demais, incomum e desastrosa. Mas logo lembro que estamos nos tempos modernos e não duvido muito que muitas mulheres já passaram ou passam por isso. Maldita era de aquário que consegue me surpreender mesmo eu sendo uma garota liberal e de cabeça aberta! rsrs

Há uns dois anos conheci um homem bonito, inteligente, culto, engraçado, enfim, com “todas” as qualidades passivas de se apaixonar. Mais ou menos um mês saindo com o cara, decidi que era a hora de liberar a ppk. Por que não? rs

Marquei de dormir na casa dele e fui toda preparada. Assim que começou a foda, o cara já veio com aquele repertório preparado baseado em filme pornô, confesso que fiquei meio decepcionada, odeio quando fazem isso, mas, enfim, quem sabe ele só queria me impressionar, já estava ali mesmo, então embarquei.

Ele todo safado, falando indecências no meu ouvido, gemendo antes mesmo de partimos para os finalmentes, até que, para a minha surpresa, toda essa encenação não durou nem 5 minutos.

Assim que comecei a chupar o cara, ele ficou louco, tremia igual vara verde e não conseguiu controlar seus desejos insanos. Levantou, pegou um KY na gaveta e logo pensei: Vishi, este cidadão vai comer o meu cu. Antes fosse isso, amigos corujas, seguidores de Agitaí!

Mas para a minha surpresa, o cara me vira e diz (eqto olha para mim com cara de gatinho abandonado): – Você disse ser liberal e que na cama topa qualquer coisa. Faz isso por mim, tudo bem?

E em seguida ficou de quatro pra mim com aquele cu apontado para a minha face! Putz! O cara pediu para eu comer o “Ás de Copas” dele. Como agir nessa situação? Bem, juro que não sei. Apenas forçava o meu inconsciente a pensar “Ahh é só um cuzinho!”. E segui os trabalhos. Meti meu dedo na vossoroca besuntada de KY, enquanto ele gemia alto.

Não satisfeito e bem nervoso, ele mandou eu meter dois dedos. E lá vamos nós com os dois dedinhos. No movimento de uma sanfona fiquei lá por horas até saciar o rapaz bonito, inteligente e engraçado… ¬¬

Ficamos nisso a noite toda, não rolou mais nada além disso. Acredite! E não para por aí. No dia seguinte, acordei o bonitão com um boquete caprichado, pensando que seria a minha vez de ser comida, mass não, o egoísta mais uma vez apontou o fuleco pra mim. Mais uma vez a minha bacurinha foi esquecida.

Voltei pra casa insatisfeita e nunca mais saí com ele. Fala sério, eu querendo ser comida e acabei comendo! Esse foi o relato de uma das peripécias que aconteceu comigo. AH, Gi, não mostra essa história para o Gleicou, depois das revelações dele no facebook, é capaz de querer reproduzir!!! Hahaha. Beijos! Thatha.

aconteceu_comigo

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Maio
06
2013

Já faz um bom tempo que isso aconteceu, mas é algo que JAMAIS esquecerei. Na minha época de estudante sempre rolava aquelas paqueras, aqueles ficanteszinhos, aquela azaração típica de ensino médio, hormônios à flor da pele… aquela coisa toda que ainda acontece hoje em dia.

Eu sempre tinha uns rolos, mas nunca dava certo com ninguém. Eu tinha um péssimo hábito de só ficar com os garotos pela aparência e normalmente esses caras gatinhos (não generalizando) são idiotas e só querem transar e desaparecer. Estava cansada de quebrar a cara em meus relacionamentos. Até que decidi ficar um tempo sozinha. Só saía com uma amigona e o namorado dela. Era a vela preferida do casal.

Fiquei alguns meses só saindo com eles. Ficava de vela e não me incomodava. Até que chegou um dia e bateu uma carência, sabe como é… kkkkkk Queria alguém bacana, gente boa e claro, alguém que me realizasse como mulher (leia-se bom de cama). Essa amiga minha me alertou que eu deveria olhar mais a beleza interior do que a beleza exterior das pessoas. E eu fui inventar de fazer isso…

Um belo dia de sol aqui em Salvador, eu, essa minha amiga e o namorado dela fomos a praia e acabei convidando um menino da escola que era afim de mim. Ele era feio, mas era gente boa. Já que era pra ver a beleza interior das pessoas, decidi investir nele.

A praia foi maravilhosa, nos divertimos bastante. Depois decidimos ir para a casa da minha amiga terminar o dia. Ela e o namorado foram tomar banhos juntos e ficamos na sala conversando e dando uns pegas. Quando o casal saiu do banheiro, o menino me chamou para tomarmos um banho também. Eu logo pensei “é feio mas é danadinho esse menino”… e acabei topando. Fazia tempo que estava sozinha né.. kkkkkk

Avisei minha amiga que íamos tomar um banho também, ainda disse para ela “É hoje que vou ver estrelas. É hoje que a minha pele fica boa. É hoje que vou tirar as teias…”  kkkkkkkk Sim, eu estava crente achando que ia ser um sexo selvagem, o cara tem 2m de altura, pô! Mas engano meu.

Fomos para o banheiro e até então, eu estava de biquíni, mas ele falou: “Aqui é Big Brother?” E foi tirando a sunga. GENTE! Quando essa criatura me tira essa bendita sunga, não consegui segurar o riso. O PAU DO CARA ERA MENOR QUE O MEU DEDO. Na boa, ele deve ter algum problema, não pode. Até tentei, mas não deu. Tive uma crise de riso descontrolável. Fiquei apontando e rindo. kkkkkkkkkkk O coitado ficou sem graça, quase chorando e eu não conseguia parar de rir.

Conclusão: Nada aconteceu, continuei na seca e ele nunca mais olhou na minha cara. Mas gente, é sério, que me desculpem os feios, mas pau é fundamental.

 

aconteceu_comigo

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
abr
29
2013

Oiii.. vou contar minha história louca… Parece até mentira, mais acreditem eu sou louca mesmo! Tudo começa numa linda SEXTA-FEIRA, saí do trampo às 18h e fui direto pra facu, lá encontro minha Best friend, decidimos assistir os 2 primeiros horários e sair para tomar aquela cervejinha tão desejada de sexta!

Copo vai copo vem, conversamos, rimos e ficamos muito bêbadas, nunca tinha bebido tanto. Quando olho no relógio, já era mais de meia noite e eu tinha combinado de ir para a casa do meu namorado depois da aula. Fui embora correndo e quando cheguei na casa do meu namorido ele estava com aquela cara de bunda. Motivos? Óbvio que é porque bebi todas e ainda cheguei tarde (juro que não entendo os homens, eles podem sair com os amigos, ficarem bêbados e voltar a hora que bem pretendem e nos mulheres não podemos? Fala sério neh!).

Nós discutimos muito, ele brigou brigou e eu nada bêbada neh… me embucetei de vez e decidi ir dormi na casa da minha Best. Eu estava muito tonta e saí pelas ruas chorando, que nem uma louca. A casa da minha amiga era uns 20 minutos andando, e quando chego +/- na metade do caminho, um cara vem em minha direção e eu chorando muito continuei andando, o cara passou por mim e não disse nada, eu continuei caminhando normalmente (normal não né, pq eu estava que nem uma louca, cheia de meleca no nariz e olhos inchados de tanto chorar).

Quando de repente, sinto a presença de alguém me seguindo, olhei para traz e era o cara com uma faca na mão e foi logo dizendo: ” -Perdeu patricinha, passa o mochila… anda logo que eu não quero te machucar.”

Eu muito bêbada olhei para cara dele, abri o berreiro, dei um abraço nele e comecei a contar que tinha brigado com meu namorado, que estava indo para casa da minha amiga pq ele tinha ficado com raiva só pq eu bebi e cheguei tarde. O ladrão ficou tão surpreso com a minha reação ao assalto que não sabia se terminava o assalto ou se ia embora. Acho que ele ficou com dó de mim. kkkkkkkkk

Ele foi saindo de perto de mim, mandando eu calar a bola e me chamando de louca e eu retardada que sou, saí caminhando atrás dele chamando ele para conversar pq estava muito mal com tudo isso, falei pra ele “ainn me mata que eu quero morrer”. E ele saiu correndo e corri atrás implorando para ele conversar comigo pelo menos. Falei até que daria a minha mochila se ele conversasse comigo. Gente, eu estava LOUCA DE PEDRA! Só pode!

Ele gritava: “- Sai fora sua perturbada, você não tem noção do perigo, sorte sua que hoje eu tô bonzinho”.
Meu, perdi ele de vista e fui pra casa da minha Best chorando mais ainda. Contei tudo para ela neh, ela não acreditou que eu fiz isso, mas gente… EU FIZ! Pior que fiz. O amor/bebida é uma fraqueza! Ao menos o chororô me ajudou a não ser assaltada neh… e se ele levasse minha mochila ia passar era raiva, só tinha maquiagem e roupas.

E para completar, alguns dias depois esse mesmo cara que queria me assaltar apareceu no meu trampo para comprar umas coisas, quando ele me viu ele não sabia onde enfiar a cara, eu fingi que nunca tinha visto ele na minha vida (morri de vergonha)… Ele pagou o que comprou e saiu rápido. kkkkkkkkkkkkkkk

Depois fiquei imaginando o que ele estaria pensando…  Tipo … “Essa louca de novo, vou embora logo, antes que ela queira desabafar comigo de novo.” kkkkkkkkk

aconteceu_comigo

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
abr
22
2013

Olá Gi. Me interessei pela fatídica coluna aconteceu comigo e acho que já está na hora de compartilha isso com o mundo.

Bom… tudo ocorreu a uns 7 anos atrás. Sempre fui adepto do “REVI METHOL” e desde moleque (e até hoje) tenho cabelo grande e tudo mais (O “Jesus” da faculdade). Eu tinha 17 anos no ocorrido e lembro que no dia tinha marcado com uns amigos de ir em outro bairro aqui do RJ pra ver um “show ratão” (Bandas ruins, som ruim, lugar ruim mas a pinga era barata). Tudo certo, nos encontramos, pegamos nossa mercedes de 46 lugares e nos dirigimos ao local. No dia eu não tinha almoçado direito então estava com a minha barriga urrando feito vocalista de banda de Death Metal de tanta fome. Resolvi parar um pouco antes e degustei um belo cachorro-quente de rua com todos os coliformes fecais que tinha direito e pra finalizar um Açaí com calda de chocolate.

Tudo muito bem, andando pela rua, zuando com os amigos e chegando ao local. Como disse antes, bem precário mas com a molecada marcando presença. Então começamos o Inferno de Dante da bebedeira, pinga, vinho barato, cerveja, pinga, algo que supostamente era martini, mais pinga, algo azul que não faço ideia do que era e por ai vai. Show rolando, eu doidão e a pinga começou a sua guerra civil contra o lanche anteriormente ingerido. Ok… eu, como era bem porra louca naquela época cagaria na rua em algum canto sem problema algum MAS nessa altura do campeonato eu já tava agarrando com uma mina por lá (elas adoram cabelo grande).

Meu organismo lutava por liberdade até a hora que ela diz “vamos lá pra casa ?” PORRA, moleque, 17 anos e cheio de amor na bolsa escrotal para dar, CLARO QUE EU FUI. Mas quando a esmola é demais Odin desconfia. Chegando na casa da mina encontro o irmão mais novo dela jogando video game na sala, o pai assistindo e a mãe fazendo janta. Pensei “que porra é essa ? vai rolar suruba com geral ?” Não, não rolou (felizmente, a familia dela era muito estranha) e com isso o meu tesão adolescente foi embora dando lugar novamente a minha guerra civil estomacal.

Comecei a suar frio, a visão ficando escura e os sons se afastando. E pra completar, a mãe dela me obrigou a jantar. Adivinha o que ? Estrogonofe. A carne de frango junto com creme de leite foram o equivalente a um fornecimento de armas na minha guerra estomacal. O desespero começou a tomar conta do meu ser, escorrendo junto com o meu suor enquanto uma música ecoava na minha cabeça (I’m on the Highway to Hell, On the highway to hell). Com todo pesar fiz algo que nunca gostei de fazer, pedi pra usar o banheiro da casa de um estranho.

Me indicaram o local e entrei feio um raio, tirando as calças e praticamente me jogando no vaso. Caguei com tanta força que cheguei a dar aqueles pulos de susto (sim a parada estava muito ruim). Depois da tempestade fecal, abaixei a cabeça pra me recuperar de tamanho gasto de Ki, respirei fundo e quando olhei pra frente… espera… aquilo é um vaso ? “PUTA QUE PARIU, CAGUEI NO BIDÊ”, logo pensei. Mas não… não era um bidê, era sim um vaso… novo… que não tinha sido instalado na rede hidráulica ainda. Olhei pra trás e vi que meu rio Aqueronte de fezes já corria por todo piso do banheiro. E agora ? o que fazer ?

Levantei (limpei o rabo, claro), tomei uma visão mais critica da situação e comecei a pensar nas possibilidades. E é claro, quando você faz merda (literalmente nesse caso) só pensa em merda. Tirei fora o saco plástico da lixeira (Era daquelas furadas, não tinha como usar de balde, antes que perguntem), enchi de água e joguei na esperança do rio de fezes ir em direção ao ralo. Ledo engano, só piorei a situação. Era merda, água e lágrimas de desespero por toda parte. Sem mais alternativas… comecei a chorar (logo explico o por que). Eles ouviram e vieram em meu socorro, abri a porta mostrei o cenário de destruição que minha guerra civil estomacal gerou. Olharam aquilo espantados e me perguntaram se eu estava bem (afinal, tava chorando). Disse que tinha úlcera, que as vezes isso acontecia e era muito vergonhoso pra mim (Ah… jura ?). Se ofereceram pra me levar em casa mas recusei e sai de lá o mais rápido possível.

O pior de tudo foi ouvir a frase “calma, isso acontece”. Acontece ? Cara… um metaleiro maluco que tua filha trouxe cagou teu banheiro todo e isso acontece ? Bom, agora a explicação do choro. Chorando e falando que era doença eles pelo menos ficaram com pena e tentaram me ajudar. Mas aposto que até hoje eles devem contar as gargalhadas o dia que a filha deles trouxe o cara que cagou literalmente todo o banheiro deles.

(Bom… é isso ai. Se for publicar inventa um nomezinho pra mim. Hoje em dia sou professor de história, não pegaria bem pra minha imagem rsrs)

Abraços.


aconteceu_comigo

Envia também a sua história: [email protected]
Envia também a sua história: [email protected]
abr
08
2013

O dia que eu perdi meu emprego, namorada, dignidade, vista e mais um pouco. Me chamo Jurismar (nome fictício, porém a história é real. Preferia que fosse o contrário, mas tudo bem). Tenho 20 anos e trabalhava na empresa sky. Era responsável por instalar as antenas e decodificador na casa das pessoas. Prestava assistência técnica essas coisas.

Era um emprego legal, gostava muito, não era cansativo nem nada. Cada dia conhecia uns clientes diferentes. Uns loucos, outras gostosas. Sem contar que ganhava café, bolo, cantadas de umas tia loucona, já cheguei até jogar mortal kombat com uma criançada louca. Além do mais, eu ganhava muito bem.Eu estava no céu, tinha uma linda namorada, que até hoje quando bebo com os amigos eu choro (dor de corno é foda, deve está dando pra outro uma hora dessa kkkkk ¬¬).

Enfim, era sexta-feira e eu estava acordando para mais um dia tranquilo de trabalho. Acordei oriçado este dia. Até que meu veio a cabeça um pensamento, que normalmente passa na cabeça de todos os homens (bem que eu poderia chegar na casa de alguma menina gostosa para instalar a TV e acontecer como nos filmes pornôs. Já fazem 2 anos que como a mesma mulher, poxa! kkkkkkkk.)

Voltei a realidade, me arrumei e fui trabalhar. Fui até a central, peguei a lista das casas que teria que visitar e fui. Na lista tinha 11 casas, geralmente são oito ou nove casas, no máximo dez. Como era sexta-feira eu pensei, “ah vou fazer só 10. Vou deixar uma para segunda-feira”, e fui fazer as instalações. Foi mais um dia normal tranquilo, com alguns suquinhos, bolachas etc.

Já tinha feito as dez casas e quando estava saindo da última casa, olhei minha prancheta e reparo que a casa que estava faltando, era nesse mesmo bairro. Portanto, como já estava ali perto, decidi fazer a casa 11. Ficar livre dessa porra logo. Chegando na casa uma menina muito gostosa me atende, lembrei na hora do pensamento que tive mais cedo e logo retomei novamente a realidade. Não adianta ficar sonhando com algo impossível de acontecer. E fui instalar a antena.

Terminado o serviço, desci de cima da casa e fui configurar o decodificador. E a gostosa estava no quarto ouvindo uns funk filhadaputa, e quando cheguei na sala para instalar o decodificador, ela também foi pra lá. Não pensei em nada, geralmente sempre fica algum dono da casa junto, sei lá deve ser medo de eu roubar algo ou quebrar.

Conversa vai conversa vem e finalmente termino a instalação. “Pronto, está instalado, se der algum problema você liga para a central, para pedir assistência técnica e diz que foi o técnico Jurismar que fez a instalação para você, que ela entra em contato comigo e eu volto aqui”. Quando eu disse isso, a guria me respondeu: “E se eu quiser que você volte aqui para me ajudar com um outro problema?”

O_________o Essa foi minha espontânea reação, dei uma risadinha e disse: “Não tem nenhum problema que eu não possa resolver”.
Rapaz, a novinha pega e me da um beijo saliente. Eu já planejava chegar em casa e homenageá-la no banheiro, de tão gostosa que era kkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Pensei que não sairia nada além dos beijos, até que, até queee…….. ela desce, abre minhas calças e começa a pagar um boquetinho. Minha nossa senhora, o arranque da jiromba foi mais veloz que de uma Ferrari. (Tô excitado só de contar isso para vocês).

E aconteceu de tudo lá. Já tinhámos praticado umas “45” posições do kama sutra em quase todos os móveis da casa. Até que ela ficou de quatro apoiando na mesa de centro na sala, com aquele rabo gigante empinado pra mim, e eu lá bombando, mandando aquele olhar 43 pro “blackhole”, como se eu estivesse o avisando que ele tb não será perdoado.

Quando de repente levanto a cabeça, e adivinha quem está nos olhando? É… isso mesmo, a mãe da desgramada, olhei direto no olho da miserável, foi a pior encarada da minha vida. A véia estava com sangue nos olhos. Foi como olhar dentro do olho do capeta. Nunca vi tanto ódio numa pessoa.

Aí começa as olhadas, olho pra gostosa, olho pra véia, olho pra gostosa e olho de novo para o capiroto e percebo que ela estava com uma chave de fenda na mão. A minha chave de fenda! E o pior aconteceu. No momento que vou olhar de novo pra novinha e pedir socorro, vejo uma chave de fenda voando direto no meu olho esquerdo. Pow!! Depois só vi sangue e mais sangue. Era grito da véia, grito da gostosa, grito meu, grito do cachorro (Sim, até o cachorro gritou). E eu alí desesperado querendo fugir e a filha da puta da velha, não satisfeita me tranca na casa e chama a polícia. Foi aí que descobri que a gostosa tinha 17 anos. 🙁 É, eu estava fudido, fudido de verdade.

A polícia me levou para o hospital primeiro. A chavada que levei me custou nada mais nada menos que 45% da minha visão do olho esquerdo. Depois do curativo, fomos todos para à delegacia. Nessas alturas já tinha perdido namorada, emprego, dignidade, visão, tesão, tudo! Menos a vontade de matar a disgramada da véia, claro. Pronto estava feito o BO de estrupo de incapaz.

A única sorte do dia (além de comer a novinha), foi que a veia conhecia a filha que tinha e ficou com dó de ter quase me deixado cego, e retirou o BO. Mas isso não mudou o fato de eu ter perdido o emprego, sujado minha carteira e ter perdido minha namorada. Vocês podem até não entender, mas eu gostava muito da minha namorada e ainda gosto. Mas a escolha foi minha, então foda-se. Bola pra frente né! =/

Moral da história: Não pense putaria antes de ir trabalhar, as palavras definitivamente tem poder e olha que eu nem disse nada, só pensei. kkkkkkkkk

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
mar
18
2013

Namorava com ela há 8 meses, nesse tempo fui na casa dela umas 10 vezes no máximo, passando sempre menos de meia hora. O motivo? O pai cuzão. Mas quando eu falo cuzão, é cuzão mesmo, o cara sempre me esnobou, das vezes que nos cruzamos o maluco fez questão de me fazer me sentir um lixo, de me humilhar e tripudiar.

Além do fato de eu comer a filha dele, o outro motivo pelo qual ele me odeia é aquela clássica diferença de classe social. Não sou pobrão, mas meu trabalho não é la essas coisas e eles são de família rica, gerações e gerações de engenheiros e tal, rios de grana.

O maluco acha que eu tô alí por causa do dinheiro, motivo escroto, tendo em vista que a filha dele é linda e se não fosse rica eu olharia para ela do mesmo jeito. Fazia 8 meses que estávamos juntos, nunca a destratei, sempre a valorizei e eu gosto dela de verdade. Custa o maluco levantar bandeira branca e ficar em paz? É tão difícil para ele perceber que ela é FELIZ?

Então, minha família foi viajar no natal para casa de uns parentes e como eu trabalho, não pude ir. Quando você namora e sua namorada não curte seus amigos, inevitavelmente você se afasta dos caras. É o famoso “ou eles ou eu”. E quando se ama, de fato é o que acontece.

Sem família, distante dos amigos, não tive outra alternativa a não passar o natal com ela e sua família. Eu odiei a ideia, lógico, mas ela insistiu, disse que não tinha problema e que tudo ia acabar bem. Daí vocês já podem imaginar que o sogrão gente boa além de não olhar na minha cara, fez questão de mandar indiretas, de humilhar este fodido que vos fala, com uma série de acontecimentos.

O primeiro acontecimento: A empregada servindo todo mundo, chegou na minha vez ele INTERROMPEU a mulher, falou para ela deixar os negócios em cima da mesa que eu sabia me servir sozinho, que eu estava acostumado com self-service. Imagina aí a minha cara de lixo. Minha namorada fez um olhar de tristeza e me serviu, eu pensei em outras coisas, tentei relevar.

Segundo acontecimento: Meu telefone tocou, era minha mãe querendo me dar feliz natal, fui atender na inocência, ele deu UM SOCO na mesa e disse em voz alta na frente de todos: “VOCÊ NÃO SABIA QUE ISSO É FALTA DE EDUCAÇÃO NÃO ? MALANDRO. Essa minha mãe ouviu, levantei da mesa e fui falar com ela. Fiquei muito puto, foda-se a ceia, foda-se tudo, nem fome eu tinha mais.

Minha namorada deu uma disfarçada, perguntou quem era, falei baixinho que era minha mãe. Daí o filho da puta TINHA que fazer piadinha com a minha mãe né caras, quando ele ouviu fez o comentário, dessa vez direto pra mim:
-E a patroa da sua mãe deixa ela ligar pra celular? É muita folga, empregada folgada assim comigo só se fode.

Não dava mais, me senti um BOSTA , meu sangue ferveu, meus olhos enxeram de lágrimas. Eu queria socar ele, eu queria quebrar os dentes desse fdp, mas meu namoro ia pro saco, além de acabar com o natal da família, mas ofender assim alguém que nem estava ali para se defender, ser motivo de gracinha para aquele lixo de pessoa.

Toquei o foda-se, não lembro exatamente as palavras porque estava muito nervoso, mas foi mais ou menos isso:
-ESCUTA AQUI Ô SEU MONTE DE BOSTA,VOCÊ JÁ TIRA COM A MINHA CARA HÁ 8 MESES, AGORA OFENDER A MINHA MÃE SEM MAIS NEM MENOS, JÁ É UM MOTIVO PARA QUEBRAR A SUA CARA.

Daí ele gritou: -FALA BAIXO, SEU FAVELADO! e jogou o copo em mim, acertou meu braço. Imagina o caos que estava essa mesa, namorada tentando me segurar, a esposa puxando ele, a irmã dela autista chorando e eu naquele ódio com uma vontade enorme de matar ele ali mesmo.

Ele veio, dando a volta na mesa igual um touro para me pegar, a família toda o segurando e gritando para eu ir embora. Olhei nos olhos tristonhos da minha namorada, sabendo que seria o último dia que iria a ver, dei um beijo na testa dela, dei as costas e fui embora.

Desisti do meu grande amor. O que fazer, se a família dela nunca iria me aceitar? Talvez no futuro, quando eu conquistar meu espaço e ser respeitado pela sociedade (a vida é essa manolo, se você não tem dinheiro, você não presta), eu possa tê-la novamente.

Sofremos muito até hoje, mas agora quero buscar o meu futuro. E torço, sinceramente, que ela não aja como sua família, que mesmo não estando ao meu lado, saiba escolher alguém com princípios, dignidade, enfim, com qualidades de um ser humano de verdade. Não por bens materiais. Ela é uma grande menina! Merece ser feliz!

E ao pobre coitado do seu pai, que ele se exploda. Que quando ele morrer, que enfiem todo a grana no rabo dele para ele desfrutar da sua riqueza no inferno.

Essa é a história de um MERDA, favelado. Por enquanto.

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
mar
11
2013

Hoje em dia é normal homem se depilar. É higiênico e mulher adora homem depilado. Para mim, tirar todos os pelos é fundamental porque transpiro muito e me irrita, por isso estou sempre tirando os pelos do corpo. Como estava de saco cheio de raspar, resolvi pesquisar novos métodos de depilação. Foi aí que conheci os malditos cremes depilatórios.

Comprei e quando fui usar li todas as instruções, mas apenas dizia para tomar cuidado com o rosto, pois queima. Tudo bem, passei na perna, no saco, no sovaco, nos braços, no mamilo e claro, no cu. Eu tenho muito cabelo neste orifício e cagar com cu cabeludo é uma merda. E não venham falar que sou gay, pois sou muito bem resolvido. Xoxotas é meu prato predileto. =D

Usei o creme e esperei aproximadamente 8 minutos para limpar com um pano, mas como tinha passado tudo ao mesmo tempo o creme secou e aí que a porra ficou séria! Rapaz, como foi difícil tirar esta merda. Limpar o resto do corpo foi até tranquilo, mas na hora de limpar o cu, PQP! Ardia tudo!!!

Tentei limpar o “brioco” com tudo que você possa imaginar. Pano úmido, água quente, água fria, sabão da minha mãe de limpar a xerek, mas o bagulho não saía e não parava de arder. Maldito aquele que não colocou nas instruções “NÃO É ACONSELHÁVEL PASSAR O CREME NO CU”.

Sério, era um dor horrível. Passei até a respeitar os gays (vc que é gay, cara, vc é mto mais homem que eu, na boa). Não sei como é a dor de um parto, mas com certeza creme depilatório no cu dói muito mais. Para vcs terem ideia, eu tive que deitar de bunda para cima mirando no ventilador de teto para o vento bater e aliviar um pouco a dor. Sofri! Segurei o cocô por uns 3 dias, o máximo que consegui, e quando finalmente fui cagar, ardeu a vida! Fora que na hora de limpar, veio vários pentelhos derretidos no papel. Mas isso é insignificante, vc não precisa saber.

Bom, essa é a minha história! Foi uma lição de vida e estou repassando para vocês. Nunca depile o fiofó com creme depilatório. Depois não diga que eu não avisei.

Envie também sua história (ou a do amigo): [email protected]
Envie também sua história (ou a do amigo): [email protected]
mar
04
2013

Bem, isso é meio constrangedor em certo ponto, mas em reuniões com amigos acaba trazendo boas risadas! Eu estava namorando uma menina já fazia mais ou menos 1 ano e 3 meses. Ela era loira, com um corpinho esculpido muito lindo, de dar inveja a muitas meninas.

Confesso não entender porque ela gostava de mim porque ela poderia arruma coisas melhores, mas isso não vem ao caso. Estávamos juntos há algum tempo e nossa intimidade não passava de uns apertos e passadas de mão. Apertava os seios dela às vezes, e lógico, o mais clichê e gosto de todo homem, uns apertos na bunda.

Até então tranquilo, passado mais ou menos 6 meses, ficamos um pouco mais íntimos, de forma que ela começou a praticar Oral em mim e eu começei a masturbá-la. Porém como era difícil nossos encontros, pois namorávamos escondidos do pai e da mãe dela
e dificilmente ela vinha na minha casa, muitas vezes praticávamos esses atos na rua, o que era muito divertido.Ela era católica e não pensava em transar antes do casamento, mas isso não a impedia de brincarmos assim sempre que dava.

Os dias foram passando e quando completamos 9 meses de namoro, decidimos dar o próximo passo. Resolvemos transar, mas ela não queria perder a virgindade antes do casamento, então ela decidiu dá a porta dos fundos!

Vocês podem pensar: “Oh Man, Você é um homem de Sorte” – Quem me dera jovens gafanhotos! Quem me dera!
No dia estava tudo planejado, meus pais saíram de casa e ela inventou uma desculpa para sair da dela. Passamos o dia namorando, até que fomos para o quarto. Começamos a brincar e brincar. Ela fez um oral muito gostoso! Ela  ainda não havia tirado a calcinha e eu fiquei imaginando… Como ela era branquinha e toda delicada eu já imaginava que seria algo bem rosadinho, cheirosinho… Enfim, estava com água na boca só de pensar.

Deitei ela na cama e comecei a baixar a calcinha dela naquela expectativa… quando tirei achei estranho, era meio… Cinza! Meio murcho! Não era muito normal para uma menina de 17 anos virgem. Sabe aquelas mulheres de pornô que tem a perseguida desbeiçada? Era tipo isso.

Pra piorar a situação, quando aproximei meu rosto, tinha um cheiro meio forte, porem suportável, mas era meio brochante. E o gosto também não era la grandes coisas… Mas fiz meu papel de homem e enfrentei o bacalhau. Como não bastasse, a situação piorou. O FATALITY aconteceu!

Estava lá beijando a crotilde, com direito a língua dura circulante clitoral, enquanto a menina gemia incansadamente (essas horas eu já pedia a morte), até que a filha da mãe PEIDOU NA MINHA CARA. NA MINHA BOCA! Meu cara, se ser homem é enfrentar isso, acabo de pedir demissão do cargo. Perereca azeda + cheiro de merda na cara, nem satanás aguenta. Vai por mim!

Eu fiquei de pé e ela olhou para mim esbugalhando os olhos como quem dizia “Putz, não acredito que fiz isso. Que vergonha!!”. Perdi totalmente o tesão. O pouco que restava. Vesti minhas roupas e pedi a ela que se vestisse. Fomos para sala e ficamos assistindo tv, não consegui tocar muito no assunto. Frustação total.

Horas depois, como ela queria muito, até tentamos praticar as portas dos fundos, mas o Juninho não deu sinal de vida. Morreu de incongestão. Algo o dizia que se na frente era assim, foge que atrás vem merda. Daí não rolou.

1 mês depois a gente terminou. Hoje sou motivo de piada. Meus amigos sempre me zoam perguntando se aceito um peidinho, me chamam de “engolidor de peido”, “levou peido na cara”, e afins. kkkkkk É isso aí, “um pobreminha sempre dá!”

Já fazem 3 anos que me separei dela e a fdp continua linda e gostosa, e agora tá namorando um japa. Mal sabe ele o que o aguarda!

Envie também sua história (ou a do amigo): [email protected]
Envie também sua história (ou a do amigo): [email protected]