Casal de brasileiros alistado no Exército dos EUA vai para a guerra do Iraque | Blog Insôônia
O melhor jogo online
Casal de brasileiros alistado no Exército dos EUA vai para a guerra do Iraque
jul
07
2008
Sem categoria / Por: Gislaine Lima ás 18:25
Parentes e amigos tomaram um susto quando souberam: Fabiano e Ana Paula, aquele casal de brasileiros que se conheceu na Escola de Comunicação da UFRJ em 1996, estão indo para a guerra do Iraque.

Os dois se alistaram no Exército norte-americano no ano passado e seguem agora para Mossul, no noroeste do país, onde dizem não haver guerra química, biológica e/ou nuclear (áreas em que se especializaram). “Nosso esquadrão deve cuidar de processamento de prisioneiros e do escorte de comboios”, explicou Fabiano ao G1, por e-mail.

Apesar de terem assustado as pessoas mais próximas, os dois não sentiram reprovação pela decisão. “A maioria deles (parentes e amigos) cai em ‘não vai morrer numa guerra’. Eu rio e dou de ombros, pois tenho mais chance de morrer num acidente de trânsito do que de tiro ou bomba. Ademais, soldado vai pra guerra. É o que fazemos. Quem vive pela espada, aprende a viver com a idéia de não ser imortal”, disse Fabiano, que pediu que o sobrenome dos dois não fosse publicado para não gerar problemas entre os militares.

“Preocupação com segurança pessoal, todos temos. Mas as estatísticas não são ruins. Morre muito mais gente em acidente de tráfego em qualquer cidade, do que soldados por tiro ou bomba, como mencionei. Tecnicamente, se você entra no seu carro em Sampa, indo para seu trabalho de manhã, você corre mais risco do que a maioria dos soldados. Óbvio, isso tudo, estatisticamente”, disse Fabiano.

Academia
O interesse em entrar para o Exército, segundo Fabiano, veio de suas pesquisas acadêmicas. “Minha tese é sobre conflito assimétrico, então entrar pro grupo que lida com isso faria sentido. Acabamos nos alistando em 2007 – foi meio louco, eu fui para me alistar, ela disse que também queria, do nada”, contou.

Segundo Ana Paula, o que a levou a tomar esta decisão “do nada” foi “a aventura, querer passar pelo treino e ver de dentro como é a vida no Exército. Tinha uma idéia de que iria pro Iraque, mais cedo ou mais tarde, mas acabou sendo ‘mais cedo'”, disse ela.

“Preferiria ir para o Afeganistão”, disse Fabiano. “No entanto não se escolhe para onde se vai; o Exército diz ‘vá’ e você diz ‘vou’. Ir ao Iraque é, atualmente, uma conseqüência de alistamento no Exército; todos irão, eventualmente.”

Tropa de elite

Para poderem ir para uma zona de guerra, Fabiano e Ana Paula enfrentaram um treinamento pesado: nove semanas de uma vida dura, isolada. “A parte mais difícil foi ficar sem contato com exterior; não tem televisão, telefone, email etc. Só cartas”, disse Fabiano.

Além da exaustão mental, há os exercícios físicos. “Tantas dietas sensacionais em anúncios de televisão, e ninguém sabe que a melhor forma de perder peso é se alistar. Você acorda às 4h, com sorte, e vai dormir às 22h. Marchas com armadura e capacete (45kg), mochilas (outros 20kg), rifle (4kg), por 15 km. Muitos não passam deste estágio”, explicou.

Há ainda um treinamento especializado. “Treinamos tiro, técnicas de combate, primeiros socorros. O mais importante para mim foram os ‘briefings’ sobre comportamento no Oriente Médio”, completou Ana Paula.

‘Brasucas’

“Não é muito comum ver ‘brasucas’ no serviço, então chamamos alguma atenção”, contou Fabiano. “Nós falamos um português mesclado com inglês (portuglish?) em casa, carregamos nossa bagagem cultural, fomos definidos por termos crescidos no Brasil”, disse ressaltando sua ligação com o país natal, mas sem querer ser rotulado por ter nascido no Brasil.

“Eu acredito em mistura de etnias, e que cultura importa mais que um acidente de nascimento.”

A recepção deles pela nacionalidade, entretanto, costuma ser boa. “Já não existe tanta desinformação quanto antes; sabem que não se fala espanhol no Brasil, e tal. As reações são positivamente amigáveis, quando descobrem que somos brasileiros. Perguntam sobre carnaval e futebol, quando descobrem que sou do Rio. O de sempre.”

Fonte:G1

Gislaine Lima
Informação
Gislaine Lima
Os comentários do blog são via facebook. Para comentar você tem que estar logado lá! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade sua.

Deixe seu Comentário

Todos os direitos reservados - 2016
Todos os direitos reservados - 2016