INSÔÔNIA.com
O melhor jogo online
E se…
set
07
2008
Sem categoria / Por: Gislaine Lima ás 13:12

…de repente, não mais que de repente, o documento que reconhece a Independência do Brasil desaparecesse da Torre do Tombo, em Portugal, se é que ele está lá? Falo daquele, que, em agosto de 1825, permitiu que fôssemos reconhecidos como nação soberana, mediante o pagamento de uma indenização de dois milhões de libras, das quais Portugal nem viu a cor, pois foi diretamente para os cofres ingleses, seus credores e, a partir daí, nossos também, pois, eles nos emprestaram essa soma. Que “rolo”…

Bem… Se analisarmos a Guerra da Independência, veremos que, embora tenhamos conquistado o domínio territorial, não fomos reconhecidos internacionalmente, porque a Santa Aliança (que incluía soberanos europeus, exceto: Grã-Bretanha, Império Otomano e Vaticano) era contra a emancipação das colônias. Isso não quer dizer que os não-signatários eram contra a colonização (no caso dos britânicos e otomanos, muito pelo contrário!); eles apenas não quiseram ou não foram convidados a assinar o pacto. O pagamento da indenização equivaleu, então, a uma “carta de alforria”, no mínimo, curiosa, pois, o mesmo acordo que nos “deu a liberdade” concedeu a D. João VI do título de Imperador Honorário do Brasil! Não bastasse isso, nosso primeiro mandatário e “Defensor Perpétuo”, D. Pedro I, logo após abdicar do trono brasileiro, em 1831, voltou a Portugal para reivindicar seus direitos de primogênito: primeiro na linhagem de sucessão do falecido D. João VI, contra os interesses de seu irmão, D. Miguel… Ou seja: D. Pedro I proclamou a Independência do Brasil, fez guerra contra as tropas das Cortes lusitanas e apesar de tudo isso ainda encontrou, lá, aliados para combater e vencer seu irmão e assumir, embora por um curtíssimo período, o Reino de Portugal, com o título de D. Pedro IV! Em suma, ele deu uma de “migué” no irmão…

Prosseguindo esse raciocínio reacionário, se considerarmos que a Proclamação da República, em 1889 foi um episódio interno, bastaria alguém dar um sumiço também nessa documentação, coisa bastante comum nestas plagas, e pronto: o Brasil voltaria a ser colônia portuguesa!

Não pode? Por quê? Deixaríamos de ser pentacampeões mundiais? Isso não é problema, pois, Porto Rico é considerado um “Estado Livre Associado” aos Estados Unidos da América, pelo quê todo o cidadão porto-riquenho também é considerado cidadão dos EUA, com os mesmos direitos e liberdades. Apesar disso, eles disputam os Jogos Pan-americanos e Olímpicos com delegações próprias! Assim, “revogadas as disposições anteriores”, poderíamos fazer um referendo e nos declararmos “Estado Livre Associado” de Portugal, com cidadania brasileira e portuguesa; afinal, D. João VI ainda é nosso imperador honorário! Ou poderíamos, simplesmente, voltar a ser cidadãos portugueses de um departamento ultramarino, mas, com duas “pequenas” diferenças: 180 milhões de habitantes e 8,5 milhões de Km2, contra 10,5 milhões de habitantes e 92,4 mil Km2. De certa forma, isso corrigiria o erro histórico das Cortes Portuguesas que, ao exigirem a volta de D. João VI e do Príncipe Regente à metrópole após o fim da ocupação napoleônica – e, por conseqüência prática, o retorno do Brasil à condição de colônia – precipitaram todo o processo de independência do Brasil, e um longo calvário para a “santa terrinha”. O quê? A União Européia não permitiria isso? Mas, Portugal não é a nossa “Pátria-Mãe”? Que mãe recusaria a volta de um filho, pródigo ou não?

Além disso, a Terra de Camões tornar-se-ia, da noite para o dia, um dos maiores países, ora, pois, pois! Imaginem, então, se as ex-colônias espanholas retornassem ao seio materno da Terra de Cervantes… Obviamente, o processo não é tão simples assim, e nem encontraria respaldo na população das ex-colônias, embora não sejam poucos os que pleiteiam a cidadania dos países seus ascendentes. Mas, isso abre espaço para um outro tipo de reflexão: A globalização não está sendo praticada como uma nova forma de colonização pelas grandes potências, por vezes muito mais cruel que a de fato?

Ta aí um “pequeno” texto para refletirem.
Bom… Enquanto ninguém bota fogo na Torre do Tombo, comemoremos a independência do Brasil!

BRASIILLLLLLLLLLLLLLLLL!!!

independência do Brasil, Refletir, Reflita
independência do Brasil, Refletir, Reflita


Blizhost hospedagem de sites
Comenta aí, coruja! Para comentar você tem que estar logado no facebook. Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade sua.

Deixe seu Comentário