Proibido cabular aula. Mas era permitido? | Blog Insôônia
O melhor jogo online
Proibido cabular aula. Mas era permitido?
ago
24
2010
Sem categoria / Por: Coruja ás 10:30

Opa, e aí gente linda de deuzo? Tudo bem?

Quem aí nunca cabulou uma aula que atire a primeira pedra. Seja por preguiça daquela aula chatíssima de Química, ou por vontade de entrar no Twitter, mas todo mundo sempre acha um motivozinho pra fugir da aula. Até os  CDF mais quietinhos, aqueles que sempre fazem questão de lembrar os professores do dia de prova, sabe? Até eles já cabularam uma vez na vida. É errado, mas todo mundo faz.

Só que teve uma cidade no interior de SP, Fernandópolis, que proibiu os alunos de cabularem aula. Quer dizer, cabular sempre foi proibido, mas a Justiça de lá radicalizou: a Polícia está autorizada a sair à caça de alunos espertinhos, que estejam uniformizados na rua no horário de aula. Pegou gente na lan house usando Orkut no horário de aula, vai levar de volta pra escola. Sem agredir, nada (aham, Cláudia, senta lá), mas vão “abordar o indivíduo” e o “convidar a retornar ao recinto escolar”. Essa cidade é a mesma que, há cinco anos, adotou a lei do “Toque de Recolher”, para adolescentes, proibindo-os de estarem na rua depois de 11 da noite.

E eu queria saber a opinião docêis. Você, seja adolescente, aluno, pai, ou que não seja nada disso: o que você acha de leis como essas, que usam a proibição pra “educar” o cidadão, e nesse caso o aluno, o que você acha? Concorda ou discorda?

Responde aí nos comentários, depois eu pego algumas opiniões de vocês e escrevo um novo post, como se fosse uma mini-enquete, saber o que vocês pensam. Pode ser?

To aguardando! Ah, e só um aviso: se você estiver me lendo nesse momento e estiver cabulado aula, VOLTA PRA SALA DE AULA, esperto! haha

 Bái @wesleytalaveira

Coruja
escola, Legal, wesll
Coruja
Os comentários do blog são via facebook. Para comentar você tem que estar logado lá! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade sua.

Deixe seu Comentário

Todos os direitos reservados - 2016
Todos os direitos reservados - 2016