Opa, e aí, corujas?

Me lembro do professor Heitor. Aliás, não só professor. Professor Doutor Heitor Coradini, Doutor em Letras pela USP que rejeitou vários convites da própria USP para lecionar letras lá porque preferiu continuar nas escolas públicas de SP, isso numa época em que os professores mal tinham giz para escrever. Lembro também da professora Ana Paula Machado, que na verdade era apenas uma professora eventual que substituía os professores ausentes, mas fazia a alegria dos marmanjos da escola. Morena, alta, cabelos pretos lisos e compridos. Ela era linda, muito linda! E por que não dizer da professora de história Cleonice Caniatto, uma senhora de uns 55 anos que vivia a criticar o capitalismo e defender o socialismo como a verdadeira “forma de revolução do proletariado sobre o sistema patronal”?

É, eu tive professores muito bons na vida. Esses que eu citei foram apenas os do Ensino Médio, mas tive professores bons na faculdade (como a professora Magali Carrijo, professor Sylvestre e outros), curso de música, curso de teologia, informática, inglês, alemão, espanhol e uma pá de coisas que já estudei na vida. Em todas essas aulas a figura do professor foi importante. Nem sempre fui o melhor aluno, mas isso é outro assunto… Mas digo que existe sim uma fórmula mágica para o sucesso pessoal: observar e aprender com seus professores!

Parabéns, professores!

@wesleytalaveira

COMENTÁRIO(S)