Aconteceu Comigo #32

Aconteceu Comigo* / Por: Gislaine Lima às 10:02
fev
10
2013

Era uma tarde de um dia qualquer, eu estava no centro de Florianópolis, mais especificamente na avenida beira mar. Estávamos eu e meu pai de carro, ai a gente decidiu parar para fumar um cigarro. Encostamos na frente de uma lanchonete (pier 51, quem é de floripa vai conhecer) e sentamos na grama, entre a área de estacionamento e o mar, em frente a lanchonete. Eu acendi um baseado e meu pai ficou em pé fumando um cigarro, e eu bem tranquilo fumando sentado na grama.

De repente meu pai falou que estava vindo uma viatura de policia, ai abaixei o baseado e fiquei observando a movimentação, quando vi o que estava acontecendo, eu não acreditei.Olhei para frente e vi um cara, correndo alucinado, de camiseta e bermuda , o cara corria de um jeito muito peculiar, corria na pontinha do pé, e a cada 2 passos ele dava um pulinho, mas isso não era nada em relação ao principal, ele estava se masturbando, isso mesmo, correndo, pulando, e se masturbando e isso tudo em uma sincronia perfeita. A hora que o policial viu aquela cena, ficou tão impressionado quanto eu.

Enquanto isso, havia um turista tirando foto com uns 3 ou 4 filhos pequenos e o individuo alucinado veio correndo em direção aquele cara com seus filhos, o turista abraçou as quatro crianças juntas, e ficou abraçado meio que abaixado, naquela posição tentando proteger seus filhos, apavorado com aquela cena. Nesse meio tempo o policial já tinha descido da viatura e estava correndo a pé atrás do sujeito doidão. Enquanto isso eu já estava dando mais uma tragada no baseado, vendo de camarote aquela cena toda.

O policial corria atrás desse maluco, e o maluco dava um baile no policial, se esquivando e escondendo atrás das arvores, tipo aquela cena de crianças tentando pegar uma galinha. Saca? O alucinado corria em círculos, e o detalhe é que ele não parava de se masturbar (quem consegue sentir tesão correndo na rua, com um policial te perseguindo?). A perseguição mal sucedida do policial durou uns 5 minutos, detalhe é que o policial já estava parando pra descansar e quase morrendo sem ar (até eu que fumo maconha o dia todo consigo correr mais que ele sem cansar)

Nessa hora, eu olhei pra esquerda, e avistei o pai e seus filhos correndo em direção ao carro, detalhe é que os filhos corriam na frente, e o pai corria atrás, meio abaixado e com os braços abertos como se estivesse protegendo seus filhos de um tiroteio. Parecia um pato correndo assustado. Nisso chegou mais uma viatura, só que o curioso é que quem dirigia a viatura era uma policial feminina, acompanhada de um policial meio abestalhado.

A policial feminina desceu da viatura e começou a correr atrás do maluco tarado (que não parava de se masturbar) e o terceiro policial desceu da viatura e ficou só olhando seus dois parceiros de profissão tentando capturar o maluco. Quando a policial entendeu o que estava acontecendo, viu que o cara estava alucinado e se masturbando, virou as costas e começou a caminhar em direção a viatura. O primeiro policial, que já estava quase tendo um infarto de tanto correr fez o mesmo. Os policiais simplesmente desistiram de correr atrás do louco e foram embora, isso mesmo, foram todos embora e deixaram o cara lá, correndo, pulando e se masturbando, o curioso é que ele não parou de se masturbar nenhum instante, nenhum mesmo!

Resumindo, depois que os policiais foram embora, fiquei mais uns vinte minutos vendo aquele cara correr. O fim da história eu não sei porque eu tive que ir embora, mas  imagino que o cara alucinado deve estar correndo até hoje lá se masturbando e o turista apavorado deve ter voltado pro Rio Grande no mesmo dia (nunca vi gaúcho mais medroso…)

OBS: o cara alucinado estava muito bem vestido, era jovem e tinha uma boa aparência, por isso fica o recado galerinha: NÃO USEM DROGAS, se não este pode ser o fim da sua “viagem”.

Envie também a sua história (ou a do seu amigo): [email protected]
Os comentários do blog são via facebook. Para comentar você tem que estar logado lá! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor.

Deixe seu Comentário