A História das Cartas | Blog Insôônia
O melhor jogo online
A História das Cartas
jun
20
2011
Curiosidades / Por: Gislaine Lima ás 16:00

Centenas de formatos foram usados no mundo todo, desde a invenção do papel, até chegarmos à atual configuração.

Nós as pegamos milhares e milhares de vezes, mas nunca paramos para nos perguntar o porquê das cartas apresentarem suas formas e valores. Na verdade, foi em torno de 1480, na França, que o baralho que usamos hoje em dia surgiu definitivamente. Antes desta versão francesa, temos primórdios de jogos com cartas desde a invenção do papel, na China. De lá para cá, cada povo surgia com uma variante do maço de cartas, alguns com até cinco naipes.

Falando em naipes, a atual configuração deriva de várias fontes, mas a mais aceita é que paus tenha vindo de bastão (ou bengala, porrete), copas eram taças (cups), ouros eram pentagramas ou moedas, e as espadas eram desenhadas como espadas afiadas, mesmo.

Originalmente, as figuras incluíam reis, cavaleiros e valetes (pajens), mas logo os cavaleiros deram lugar às rainhas, aqui chamadas de damas. Em algum tempo, os jogadores ficaram cansados de ter de virar as figuras na mesa a toda hora, pois deixar um rei de cabeça para baixo era um desrespeito, e então criaram-se as figuras de corpo duplo invertido, como temos hoje.

E, por falar nestas figuras, quem seriam elas? Bem, nossa pesquisa chegou a diversas variantes de cultura para cultura, mas o baralho atual é uma convenção aceita a partir de desenhos franceses de Rouen. Antes desta convenção, os baralhos mais usados traziam as seguintes personalidades:

# O Rei de Copas representava Carlos Magno, o Rei de Ouros era Júlio César, o Rei de Paus era Alexandre, o Grande, e o Rei de Espadas era o Rei Davi, da Bíblia.

# A Dama de Copas representava Judith, da Bíblia (ou Helena de Tróia), a Dama de Ouros era Raquel, também da Bíblia, a Dama de Paus era Argine (uma rainha fictícia) ou Elizabeth I, e a Dama de Espadas era a deusa da guerra, Atenas (Minerva ou Palas, em outras culturas).

# O Valete de Copas representava Etienne “La Hire” de Vignoles, um soldado francês, o Valete de Ouros era Roland (sobrinho de Carlos Magno) ou Heitor, de Tróia, o Valete de Paus era o cavaleiro Sir Lancelot (ou Judas Macabeu) e o Valete de Espadas era Ogier “The Dane” la Danois, um tenente de Carlos Magno.

A carta que possui a frente com maior liberdade de criação é o curinga ou joker, que representaria os palhaços dos jograis realizados nos castelos medievais. Entretanto, há teorias que afirmam que o curinga seria na verdade uma invenção americana do século XIX, surgida de uma carta do tarô, o Louco, que não tem número do trunfo e cuja alegoria lembra um bobo da corte.

Gislaine Lima
baralho, cartas, origem, significado
Gislaine Lima
Os comentários do blog são via facebook. Para comentar você tem que estar logado lá! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade sua.

Deixe seu Comentário

Todos os direitos reservados - 2016
Todos os direitos reservados - 2016