A Borboleta

Textos / Por: Gislaine Lima às 05:07
jul
14
2008

Um homem, fazendo um passeio no parque,
encontrou um casulo
de uma borboleta.

Como tinha curiosidade para ver
como a borboleta se desenvolveria,
levou o casulo para casa.
Um dia, o homem notou que um

pequeno buraco apareceu
no casulo.

Ele sentou e ficou observando a
pequena borboleta, que por horas,
fazia muita força, tentando sair

do pequeno buraquinho.

Então, depois de algum tempo,
a pequena borboleta cessou sua
luta para sair, demonstrando que
aquele ponto era o máximo

onde ela conseguiria ir.

Vendo a dificuldade da pobre
criatura, ele resolveu ajudá-la.
Pegou uma tesoura e cortou fora
parte do casulo que faltava para
que todo o corpo da borboleta
saísse, e a libertou.


A borboleta, recebendo esta

ajuda extra, saiu fácil do

restante do casulo.

O homem notou que o corpo da
borboleta estava inchado e muito
pequeno e suas asas trêmulas.
Ele continuou a observar a
borboleta, pois esperava que a
qualquer momento as asas ficariam
grandes, se expandiriam para

suportar o peso do corpo, e
com tempo o mesmo
desincharia.

O que ele esperava não aconteceu.
Ao invés disso, a borboleta ficou

mutilada para o resto de sua
existência e nunca vôou.
O que aquele homem, na sua
inocência e cuidado não entendeu,

foi que o processo da agonia de
sair do casulo, para a borboleta,
era necessário.

Passar por aquele buraquinho
foi a maneira que Deus fez para que
através dos movimentos, a borboleta
exercitasse a passagem de fluidos
pelo seu corpo ainda imaturo,
ficando pronta para voar e
alcançar a liberdade fora
do casulo.


Algumas vezes este mesmo
processo de agonia é o que
exatamente nós estamos
precisando em nossas
vidas.
Se Deus permitisse que nós
passássemos nossa vida sem

obstáculos, ficaríamos
aleijados como a
borboleta.

NÓS NÃO SERÍAMOS FORTES O SUFICIENTE E NUNCA
PODERÍAMOS VOAR!

A borboleta, Refletir, Reflita
Os comentários do blog são via facebook. Para comentar você tem que estar logado lá! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor.

Deixe seu Comentário